Baratas…

On Jan 17, 2012, at 1:02 PM, Cecilia Polido wrote:

Eu tenho uma estoria de Lucelia.
Quando eu tinha 13 ou 14 anos a vovo’ me convidou pra passar as ferias com ela em Lucelia.
Fomos de onibus e tio Mario nos levou pra rodoviaria de carro.
As bagagem da vovo era composta de 21 volumes.. ela levou de tudo, ate a maquina de trico.
Na chegada em Lucelia, ela contou as malas cuidadosamente, pq nao queria perder nenhuma. E, qual nao foi minha surpresa quando ela chamou uma charrete pra nos levar pra chacara, com todas aquelas malas… levou um tempao pra desfazer todas e tenho certeza que uma ou outra ela nem abriu.
E a maquina de trico virou a minha diversao pq eu nao tinha muito o que fazer por la, A vovo’ tinha um ritual pra dormir… arrumava os lencois sobre um sofa que ficava no terraco da casa . O sofa tinha uma forracao de plastico e os lencois escorregavam. mas ela achava uma delicia dormir ali pq era fresco. E para que ela nao dormissse sozinha ali, ela arrumava um colchao tambem no terraco para que eu dormisse la. Eu nao gostava disso. Me sentia desprotegida e nada confortavel, apesar de o colchao ser bom. Mas tinha uma parte do ritual que me deixava mais espantada. Toda a familia sabe o quanto a vovo’ tinha nojo, medo, aversao por baratas. Assim, ela aplicava jatos da bomba de fleet sobre ela mesma… aquilo era fedido e nao devia fazer nada bem pra saude dela. Numa manha, ela acordou passando mal e pediu pra que eu a ajudasse a se arrumar pq a charrete que vinha busca-la 2 ou 3 vezes por semana estava pra chegar. E ela foi de charrete ate o hospital. Ficou internada alguns dias com desidatracao. Ninguem me tira da cabeca que aquele spray de veneno foi a causa dela ter ficado doente.
Lembro que foi um alivio quando a Tia Ana chegou para as ferias e tomou conta da situacao.

2 Responses to Baratas…

  • admin says:

    Em 17/01/2012, às 18:25, Luiz Mesquita escreveu:

    > Ha ha ha, que impressionante era essa aversão a baratas! Pois eu tenho uma outra
    sobre a mesma. No Natal de 1974, fomos a SP como de costume, pra passar os nossos
    10 ou 20 dias, na casa da Vo Cecilia. Como ocorria todos os anos, a certo tempo,
    la fui eu ajudar a fazer as balas. Eu adorava a experiência, pois lembro de lamber
    resto de leite condensado na lata, e “experimentar” (com a língua mesmo), o ponto
    da bala, que a vovo tirava de minuto a minuto numa colher.
    Lembro que fui buscar algum apetrecho num armário de madeira envernizado vermelho, e para minha
    “surpresa” (nem tanta assim…) de la saiu uma barata daquelas grandes (nome
    cientifico… periplaneta americana). Chamei a vovo para dizer-lhe do ocorrido, e ela mais que depressa veio com sua bombinha de borrifar DDT. E borrifa daqui, e borrifa de la, e a bendita da barata escapuliu sempre. Ate que voou para cima das balas, que a esta altura ainda estavam em forma de massa uniforme, esparramada sobre o mármore frio, para endurecer. E la foi a Vo Cecilia borrifando e borrifando, sem cuidar de nao pegar nas balas. Afinal, a barata correu, voou e escapuliu. E quando questionei sobre as balas “possivelmente contaminadas”, ela deu de ombros e exclamou: “nao faz mal, nao tem problema, ninguém precisa saber”.
    Eu como menino de 8 anos, “muito responsável”, lógico, nao abri o bico. Vai que ela me dava uma bronca? Tempos depois me lembro de um episódio similar com um pote de manteiga. Enfim, nao lembro se alguém foi pro hospital por comer balas da Vovo naquele natal.
    Alguém ai se manifesta?

  • admin says:

    Ciça

    A história de que a vovó foi pro hospital em Lucélia, pelo que eu me lembro de me
    ter sido contado na época, foi de que ela, para se livrar dos insetos enquanto
    dormia no terraço, ela passou PHOSDRIN no próprio corpo com se estivesse passando um
    bronzeador.

    Se lembra do Phosdrin? A mamãe (Ruth) comprou um vidro para trazer para São Paulo e
    o vidro estourou dentro do taxi que pegamos na rodoviaria para o apartamento lá na
    Paulista… se lembra? Qause deu pau com o motorista!

    Beijo

    Luiz Mesquita de Arruda Camargo

Leave a Reply